Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Endless Words

"Escrever é como abrir gaiolas: coloco as palavras em ordem, descubro a senha do cadeado, liberto os pássaros. E os sentimentos."

Endless Words

"Escrever é como abrir gaiolas: coloco as palavras em ordem, descubro a senha do cadeado, liberto os pássaros. E os sentimentos."

As pessoas têm sempre a maldita tentação de se meterem na vida dos outros. Familiares, amigos, colegas, vizinhos e até desconhecidos...penso que a palavra privacidade cada vez existe menos no vocabulário de cada indivíduo. As redes sociais, nomeadamente, vieram de certa forma estragar ainda mais a intimidade pessoal: fala-se de mais, supõe-se que conhece-se de mais, quando na verdade as informações que se recolhem não correspondem a um terço da verdade. Por estes e por outros motivos é que sempre fui uma pessoa muito reservada. Falo de assuntos banais com facilidade, mas arrancarem-me uma confissão importante/sentimental é uma tarefa complicada. Não gosto de expor o meu coração ao vento; já o fiz algumas vezes e, depois, raramente sinto que fico mais aliviada ou compreendida. Eu tenho sentido que entrei numa nova fase, algo mais maduro e responsável. É sempre óptimo ouvir a voz da experiência, alguém mais velho que me possa aconselhar e apoiar, mas que me dá liberdade de tropeçar nos meus próprios erros. Não preciso que opinem positivamente ou negativamente sobre as decisões que tenho tomado, mesmo que essas pessoas saibam que tenho inseguranças nestas opções. Preciso de arriscar como nunca fiz antes, de entrar em território desconhecido, de novos conhecimentos. Compreendam-me, mas não me recriminem. Jogar pelo seguro, durante este tempo todo, nunca me trouxe nada de bom. Pela primeira vez, sinto-me bem em guardar para mim determinados actos que tenho feito, pois sei que existe sempre a tendência a serem comparados ao passado dos outros que dizem ter passado pelo mesmo ou por semelhante. Aprendam: existem acções idênticas, mas os resultados são sempre diferentes. Se eu comparar-me sempre aos outros, nunca vou seleccionar determinadas aventuras por ter medo do fracasso dos outros nas ditas cujas. Desta vez, eu vou abraçar a minha privacidade e intimidade. Lutar pelo que eu quero, de forma sangrenta e intensa.

20 comentários

Comentar post

Pág. 1/2