Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Endless Words

"Escrever é como abrir gaiolas: coloco as palavras em ordem, descubro a senha do cadeado, liberto os pássaros. E os sentimentos."

Endless Words

"Escrever é como abrir gaiolas: coloco as palavras em ordem, descubro a senha do cadeado, liberto os pássaros. E os sentimentos."

Está na altura de fazer uma viagem por 2014. Já tenho ao meu lado uma caneca de chocolate quente, esta bebida alimenta-me as memórias e faz a minha escrita fluir. 2014 foi um ano de altos e baixos. O inicio não foi muito fácil, porque o terceiro e último ano da licenciatura não foi nada fácil, tanto a nível escolar, como nos terrenos de amizades e campo amoroso. Deixei para trás, sabendo que essa pessoa mereceu e continua a merecer, uma pessoa que outrora considerei minha irmã e dentro do mesmo saco preto de plástico deitei duas pessoas que não merecem sequer a minha consideração. Felizmente, acabei com sucesso a minha licenciatura (um dos meus maiores orgulhos neste ano) e fiz novas amizades que me fazem acreditar que ainda existem pessoas decentes neste planeta. 2014 foi um ano de auto-conhecimento e os dois meses de férias de Verão ajudaram-me muito a ter tempo para conhecer-me melhor, para estabelecer objectivos realistas para o meu futuro e para viajar. Aproveitei para criar memórias com a minha família, para lutar por um corpo mais bonito e saudável e para cuidar de mim. Em Setembro, cumpri a promessa que tinha feito pelos meus avós e por mim própria: quando me formasse, iria a Fátima trajada e senti imensa paz e orgulho neste momento. A verdade é que apesar de não ser praticante da minha religião, gosto de acreditar que os meus avós olham por mim e que possuem orgulho nos passos que dou e nas minhas conquistas diárias. Em Setembro, ingressei no mestrado de Psicologia Clínica e da Saúde, mas resolvi mudar de turma e optar pelo ensino nocturno...não imaginam o quanto estava receosa nos primeiros dias! A verdade é que temi não ser aceite naquela turma, mas não podia estar mais enganada. Estudar com pessoas mais velhas do que eu permite-me aprender inúmeras coisas novas e pensamentos completamente distintos dos meus. A sabedoria é deliciosa! O meu sentido de responsabilidade foi-se apurando mais e cresci imenso neste últimos meses a nível académico. Em 2014 arrependo-me de algumas coisas, mas pretendo alterar e modificar determinadas situações em 2015. O final de ano trouxe-me uma surpresa um quanto inesperada, confesso, mas altamente satisfatória. As coisas melhores são guardadas para o fim, certo? Acabo este ano com um dos maiores sorrisos da minha vida, com o brilho no olhar mais apaixonante, com o corpo todo cheio de borboletas e com o pressentimento que aos 22 anos encontrei a minha metade de laranja, a tampa para a minha panela, a pessoa que me faz incondicionalmente feliz todos os dias e que eu quero sempre do meu lado, sempre com a mão quente enlaçada na minha, com o olhar cor de mar fixado no meu. Logo eu que proclamava aos sete ventos não querer apaixonar-me tão cedo e olhem...estou completamente amante do meu homem. A todas aquelas pessoas que contribuíram para os altos e baixos deste ano que está prestes a terminar, um obrigada do fundo do meu coração. Mesmo provocando-me sorrisos ou lágrimas, a verdade é que me fizeram lutar e aprender que nada é garantido nesta vida. Eu cresci e estou bem mais perto da adulta que pretendo vir a ser um dia! No jantar de passagem de ano, vou fazer questão de pegar no meu copo de champanhe, engolir as não-desejadas passas e brindar ao amor, porque ao amar e ser amada, sinto-me uma leoa feroz, capaz de atravessar rios e montanhas para ser feliz. 

 

Feliz ano novo, entrem com o pé direito!

 

large (4).jpg

6 comentários

Comentar post