Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Endless Words

"Escrever é como abrir gaiolas: coloco as palavras em ordem, descubro a senha do cadeado, liberto os pássaros. E os sentimentos."

Endless Words

"Escrever é como abrir gaiolas: coloco as palavras em ordem, descubro a senha do cadeado, liberto os pássaros. E os sentimentos."

large (2).jpg

 

Dois meses e uns dias sem escrever aqui...podem atirar todas as pedras ao mestrado e às preocupações que este me trouxe neste longo e comprido semestre. Finalmente estou na ultima semana de aulas e, tirando duas apresentações, estou finalmente livre deste ano que foi, basicamente, o melhor ano de universidade de sempre e o que me trouxe mais surpresas. A turma nocturna surpreendeu-me bastante pela positiva, confesso. Sempre tive habituada a frequentar turmas onde os elementos eram da minha idade e ir para uma turma de horário diferente assustou-me um bocado. Pensava que iria encontrar pessoas mais velhas que não iriam perceber a minha forma de ver o Mundo e a Psicologia, que não me iriam incluir ou que iriam sempre olhar para mim de lado...nada disso! Encontrei pessoas compreensivas, adoráveis, extremamente responsáveis, com um conhecimento de vida sensacional, sempre prontas para umas "asneiradas" e, por vezes, até bem mais modernas do que eu. Tenho de agradecer-lhes o facto de que cresci imenso com elas, ao nível da responsabilidade, profissionalismo, lições sobre a vida...obrigada por olharem por mim, por me ajudarem, por terem sempre um ouvido pronto a ouvir as minhas palavras e por partilharem a vossa vida comigo! Adorei esta experiência, sei que arranjei boas amigas e as minhas notas e presença nas aulas melhoraram imenso (obrigada pela motivação). Espero que elas saibam que eu tenho muito orgulho nelas e que lhes desejo o mais brilhante dos futuros, a todos os níveis. Este ano fez-me apaixonar ainda mais pela Psicologia e confirmou que esta é a profissão que desejo exercer no futuro. Adorei ter um contacto directo com os clientes, ter aulas práticas, aprender estratégias e competências actuais e modernas, ter trabalhos práticos de semestre em vez das chatas e aborrecidas frequências, visitas de estudo...de facto, foram 10 meses glorificantes, que eu enfrentei com uma mistura de sorrisos, olheiras de cansaço, irritação, diversão, exaustão, mas muito, mas mesmo muito esforço e amor à camisola. 

 

Todos estes sentimentos positivos trazem também um revês: um sentimento de nostalgia do inicio da faculdade, onde eu pensava "Meu deus, no que me vim eu meter? Tantos anos a estudar?" e agora penso que passou tudo tão rápido que eu nem dei por ela. Se desejo ser novamente a caloira tímida e envergonhada do primeiro dia? Não. Desejo mais olhar para trás e ver que aproveitei tudo o que tinha a aproveitar, que passei por experiências e sentimentos agradáveis e outras que nem por isso (mas que me fizeram crescer como pessoa sentimental) e que, essencialmente, não me arrependo de nenhuma das minhas escolhas. É bom olhar para o espelho e ver que me tornei numa pessoa mais forte, mas não solitária como era outrora. É apaixonante perceber que existem pessoas que possuem orgulho no meu percurso académico e quero deixar-lhes aqui o devido agradecimento: aos meus pais, que me financiam o sonho de um dia vir a ser uma boa Psicóloga, à minha família mais chegada, que atura as minhas rabugices quando estou frustrada com algo e que aplaude quando alcanço os objectivos pretendidos, aos leitores daqui que se tornaram meus amigos e que me "emprestaram" umas palavras de incentivo e, em especial, ao meu namorado, que tornou este ano muito mais colorido e interessante, que foi o meu maior apoio, que nunca me deixou desistir e que esteve sempre do meu lado. Espero deixar todos orgulhosos e que venha o próximo ano...estágio e tese: aqui vou eu (depois de dois meses de férias que bem preciso)!