Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Endless Words

"Escrever é como abrir gaiolas: coloco as palavras em ordem, descubro a senha do cadeado, liberto os pássaros. E os sentimentos."

Endless Words

"Escrever é como abrir gaiolas: coloco as palavras em ordem, descubro a senha do cadeado, liberto os pássaros. E os sentimentos."


Há dois anos trás, andava aqui aos pulos de excitação por, finalmente, ir todos os dias para uma cidade onde podia ser anónima. Começar do zero (coisa que hoje descobri ser impossível, porque nunca esquecemos o passado) parecia-me um bom lema enquanto caminhava pelas ruas do Porto. Viver na terrinha implica uma enorme falta de anonimato, maioritariamente por causa do negócio dos meus avós. Mudar de estilo, voltar a entrar nos parâmetros do que a sociedade considera normal, ser sorridente e novamente feliz. Deixar os maus hábitos (consegui este objetivo), ser mais sociável e prestável: fiz boas amizades, tento ajudar quem precisa e tento o melhor que posso - e quero - para conseguir fazer as cadeiras na faculdade. Contudo estou um pouco farta dos ares da cidade invicta...tenho andado a matar saudades de uma excelente amiga de secundário (já lá vão seis anos de amizade, sem dramas e muita compreensão de ambas as partes!) que estuda em Braga. Sempre foi um sonho em comum irmos juntas para a faculdade, mas infelizmente não foi possível. Queria muito ter a experiência universitária que ela está a ter: viver com amigas, longe da família, sem regras e apenas dependente dela própria. Falta-me apenas um ano para terminar a minha experiência na minha universidade privada e estou dividida entre parar os estudos e trabalhar fora do País ou tentar entrar numa faculdade pública e tirar o mestrado (sim, porque para eu exercer Psicologia, preciso de tirar o mestrado) - sendo que esta segunda hipótese agrada mais os meus pais e familiares. Este bichinho da segunda hipótese têm vindo a crescer dentro de mim, desde que soube que posso tirar o meu mestrado na mesma faculdade que a minha colega anda. Para isso, este ano, tenho de me dedicar aos estudos para subir a média e participar o máximo possível em palestras e afins. Será que aos 22 anos vou ter a oportunidade de ser a universitária que sempre sonhei? Ou vou continuar firme ao meu plano de adiar os estudos e trabalhar? Não sei. Só sei que me vou dedicar ao máximo este ano para subir a minha média e tentar a minha sorte...se entrar, serei a pessoa mais sortuda e realizada que já viram nos blogs Sapo. Afinal de contas, segundo a minha amiga, nunca é tarde de mais para concretizarmos os nossos sonhos do secundário.

11 comentários

Comentar post

Pág. 1/2