Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Endless Words

"Escrever é como abrir gaiolas: coloco as palavras em ordem, descubro a senha do cadeado, liberto os pássaros. E os sentimentos."

Endless Words

"Escrever é como abrir gaiolas: coloco as palavras em ordem, descubro a senha do cadeado, liberto os pássaros. E os sentimentos."


...por ter que enfrentar os meus problemas. Sinto-me uma criança totalmente indefesa sem saber para onde ir. Apenas sinto o sabor salgado das lágrimas, que têm sido as minhas fiéis companheiras desde que me apercebi que eu já não sou a mesma e odeio aquilo em que me tornei. De leve e livre passei a oca e desligada. Fiz um erro tão idiota esta semana e mesmo assim foi preciso vir alguém que me conhece à quatro meses dizer-me que eu fui uma insensível e que merecia nunca mais ouvir uma palavra vinda dele. Obrigada N., do fundo do meu coração (e nisto podes acreditar). Dirigindo-me a ti, agradeço-te por me estares a dar uma segunda oportunidade, mesmo quando eu sei que talvez nem a mereço. Sei que não acreditas em Deus, mas eu sim e deve de ter alguém lá em cima que faz com que eu não perca pessoas como tu, que sabem ser sérias e rudes quando preciso de ouvir a verdade cruel sobre mim. É bom saber que as pessoas tem fé em mim e que ainda não desistiram. Eu vou encontrar-me novamente, eu prometo. O meu pedido de desculpas de hoje vai parecer cem por cento verdadeiro quando eu começar do 9 (penso que percebes). Eu não te quero perder, não quero perder a M. nem a C. e se para isso precisar de lutar contra os meus fantasmas e recuperar a Cátia antiga, eu faço-o. Vocês são a minha grande fonte de motivação, porque eu quero a minha vida ao vosso lado e não vos quero desiludir, mais do que já fiz esta semana. Por favor, acreditem em mim, eu vou voltar a ser o que era e, N., vou continuar a lutar pela tua confiança e amizade, como quase sempre fiz. A tua irmã tem uma sorte enorme em te ter na vida dela e, temporariamente, eu estou a ser a maldita lagarta que congelou no tempo e não se transformou na borboleta que quer ser. Apenas preciso de tempo, porque o tempo tudo cura, mesmo pessoas quebradas e perdidas como eu. Um abraço grande,

a vossa Cátia.

12 comentários

Comentar post

Pág. 1/2