Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Endless Words

"Escrever é como abrir gaiolas: coloco as palavras em ordem, descubro a senha do cadeado, liberto os pássaros. E os sentimentos."

Endless Words

"Escrever é como abrir gaiolas: coloco as palavras em ordem, descubro a senha do cadeado, liberto os pássaros. E os sentimentos."

 

Não me leves para casa. Eu quero ficar contigo, apenas hoje. Dá-me um minuto, uma hora, já que não me podes dar a vida toda, para eu estar contigo. Não me trates como a tua princesa, como uma menina ou criança. Eu agora sou uma mulher, mulher esta que tu desconheces, mas que amas como no primeiro dia em que lhe puseste a vista em cima. Tu disseste que me ias amar para sempre. Eu ainda te amo, confesso, mas não da mesma forma intensa, brilhante e carinhosa, mas sim como uma recordação, uma história de um conto de fadas. Tenho dias em que apenas me lembro dos teus lábios, outros apenas dos teus olhos esmeralda ou do teu piercing no mamilo esquerdo. Tenho outros dias, como hoje, que penso que eu era demasiado inocente ao teu lado. Tu não me deixavas desflorar, porque protegias-me na tua sombra. Esta era a tua maneira de me amar. Quando me deixaste, eu não conhecia a dor. Nunca me tinhas deixado sofrer, sendo que criaste uma criatura ingénua que pensava que não haviam seres horrendos deixado do seu colchão. Não quero dar graças a Deus por te ter levado para o outro Mundo, até porque tenho e vou sempre ter saudades tuas. Apenas queria que hoje pudesses sentar-te comigo para eu te mostrar que não preciso do teu escudo para me esconder das maldades do planeta. Queria ver o orgulho brilhar-te nos olhos, porque eu sei que ias idolatrar a mulher forte, confiante e honesta que sou. Por isso, apenas hoje, dá-me o prazer e não me leves para casa. Dá-me aventura, porque eu não sou frágil. Se o fosse, estaria agora ao teu lado e não aqui, sentada numa mesa de bar, a escrever mais um dos textos que tu nunca lerás.

38 comentários

Comentar post

Pág. 1/4