Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Endless Words

"Escrever é como abrir gaiolas: coloco as palavras em ordem, descubro a senha do cadeado, liberto os pássaros. E os sentimentos."

Endless Words

"Escrever é como abrir gaiolas: coloco as palavras em ordem, descubro a senha do cadeado, liberto os pássaros. E os sentimentos."

Elas eram as melhores amigas, apesar de serem bastante diferentes. Uma era uma simples e humilde camponesa, que trabalhava de sol a sol, ela era uma condessa que vestia os melhores e mais ornamentados vestidos e era servida por todos. Ambas se apaixonaram pelo mesmo homem: o futuro rei de Inglaterra. Ele era alto, moreno e possuía uma longa cicatriz na cara, fruto das guerras que travou pelo seu país. George apaixonou-se pela jovem e humilde Madalena, deixando a rica Aureola a ferver por dentro quando Madalena lhe contou que estava noiva do mais belo partido do país. Com a fúria a romper dentro do seu vil coração, ela resolve mandar a sua suposta melhor amiga para longe do país, numa carruagem de escravos. O futuro rei, com o espírito destroçado, mas com a necessidade de se casar urgentemente para assumir o trono, aceita a disponibilidade de Aureola, que se aparentava imaculada e dócil, mas mal ele sabia que ela escondia o paradeiro da mulher dos seus sonhos. Eles casam-se numa bela cerimonia e logo no primeiro ano de casamento, tem o primeiro filho herdeiro, de nome Michael. Ele nunca mais tocou em Aureola, sexualmente, desde a noite que geraram o filho de ambos. E ela vivia frustrada, com as suas escapadelas com algum serviçal do castelo que se mostrasse disponível para a satisfazer por umas horas. O corpo de Madalena, outrora firme e prendado pela juventude, agora estava velho e mole, da falta de actividades, pois a agora rainha de Inglaterra recusava-se a fazer qualquer tipo de tarefa. Quando o filho atingiu a maioridade, juntou-se às tropas do país, para cumprir o seu serviço militar. Michael era um jovem musculado, que despertava o desejo em todas as moças dos países que visitava. Mas foi nos arredores de Paris que ele encontrou o amor nos olhos daquela lindíssima, mas enlameada, camponesa. Ela tinha uns longos cabelos avermelhados, e os mais belos lábios que ele alguma vez visionou. Ela não se queria comprometer com o rapaz que a amava, mas não podia negar que ele era-lhe especial, até mais especial do que George, a única pessoa que amou. Ele levou-a de volta para o seu país natal, e pediu-lhe para ser a sua noiva, apesar dos dezoito anos de diferença entre eles. Ela aceitou, porque aprendeu a ama-lo loucamente; vestiu o vestido de gala oferecido por Mike, o nome carinhoso que ela lhe deu e partiu de mão dada ao castelo real, para conhecer os parentes de Mike. Ela desconhecia que ele era o príncipe herdeiro do trono, porque ele tinha medo que ela estivesse-o a usar para ser a futura soberana. A festa estava linda, até ao momento de partir o coração a todos os amantes do mundo:

 

-“Madalena, és tu?”

-“George.” – Disse ela, com um leve suspiro.

 

(continua...)

 


 

Meus queridos e minhas queridas, como puderam ler no título, esta é a parte 1 de «Amizades de Cristal». Mas não sou eu que vou escrever a parte 2; quero desafiar todos os bloguistas a participar neste pequeno concurso, que é bastante simples até: escrever a continuação (e finalização) deste pequeno conto. Podem escolher o destino de todas as personagens, quero ler as vossas ideias...

O/A bloguista que escrever o melhor texto vai ser destaque neste blog durante o mês de Setembro, para além de ganhar uma plaquinha da minha autoria. Peço é que me avisem com um comentário antes de me enviarem os vossos textos para este email: typewriter1@live.com.pt.

Conto com as vossas participações! Todos os textos serão publicados aqui no meu blog!

 

Participações válidas até o dia 31 de Agosto de 2011.

 

 


 

Editado: Obrigada por quem me avisou do erro que tinha aqui; e obrigada às bloguistas que já me mandaram textos! Confesso que estão todos lindos, tenho uma difícil tarefa em mãos.

114 comentários

Comentar post

Pág. 1/12